sexta-feira, 12 de agosto de 2016

DIA INTERNACIONAL DOS POVOS INDÍGENAS: O CINECLUBE ZUMBIS APRESENTA - "O Abraço da Serpente", de Ciro Guerra




NESTE SÁBADO, DIA 12 DE AGOSTO!

Na última terça-feira, 9 de agosto, foi celebrado o Dia Internacional dos Povos Indígenas, data instituída pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 1994. O Cineclube Zumbis exibe Embrace of the Serpent, de Ciro Guerra.

Indicada ao Oscar de Melhor Filme Estrangiero, esta obra é baseada nos diários de dois exploradores europeus, que vagaram pela Amazônia decididos a desvendar seus segredos nos primórdios do século XX. Narra a convivência de um solitário índio com dois exploradores brancos em um intervalo de 40 anos.

Outrora um poderoso xamã, Karamakate acredita ser o último sobrevivente de seu povo. O sábio eremita é encontrado na selva pelo etnobotânico americano Evan (Brionne Davis), que busca uma rara planta capaz de ensinar a sonhar. A procura do cientista desperta no indígena a lembrança da aventura que viveu décadas antes com o pesquisador alemão Theo (Jan Bijvoet), cuja vida Karamakate salvou com seus conhecimentos.

Duração: 123 min. Classificação indicativa: 12 anos.

A sessão ocorrerá no auditório do CEI, às 19h.

ENTRADA GRATUITA!

Mais informações:

Gênero: Drama

Ano de Lançamento: 2015

País de Origem: Colômbia

Idioma do Áudio: Alemão, Português, Espanhol, Idiomas Indígenas

Informações do IMDB: http://www.imdb.com/title/tt4285496/

INFORMAÇÕES VIA MKO:

Sobre o diretor: 


Nascido em Río de Oro, em 1981, desde cedo que Ciro Guerra se dedicou ao estudo do cinema e da televisão na Universidad Nacional de Colombia. Depois de quatro curtas-metragens que lhe valeram prêmios em vários festivais internacionais, Ciro escreveu e realizou “La Sombra Caminante”. A sua primeira longa-metragem foi seleccionada para mais de 60 festivais em tudo o mundo (como Cannes ou Tribeca) e recebeu um total de 15 prêmios e menções honrosas de festivais. Seguiu-se “Los Viajes de Viento”, igualmente bem recebido pela crítica especializada, sendo semifinalista em Sundance e selecionado para a seção Un Certain Regard, de Cannes. “El Abrazo de la Serpiente”, o terceiro filme de Ciro, já ganhou o Art Cinema da Quinzena dos Realizadores do festival francês.

Crítica:

Inspirado nos diários deixados pelo etnologista Theodor Koch-Grunberg e pelo biólogo Richard Evans Schultes, que dedicaram anos de suas vidas estudando a região amazônica, O Abraço da Serpente acompanha a história da dominação e dizimação indígena tendo como guia a figura de Karamakate, um xamã que encontrou no isolamento um meio de manter suas tradições vivas.

Conduzindo de maneira não-linear, o longa dirigido por Ciro Guerra (As Viagens do Vento) é uma experiência narrativa interessante, principalmente por saber como utilizar a seu favor a diferença de tempo dos relatos contados. Entre os assuntos expostos estão a evangelização dos povos indígenas, a exploração de borracha e um bombardeio moral de tradições seculares.

A eterna briga causada por uma suposta superioridade étnica e pela falta de respeito com o que há de diferente, e a nocividade do contato com uma cultura que foi capaz de deturpar costumes são contadas de forma interessante e curiosa. Com uma boa distribuição dos acontecimentos, o ritmo do filme, contemplativo até certo ponto, é fluido.

A região amazônica é belissimamente fotografada em preto e branco por David Gallego (Cecilia) e a montagem de Etienne Boussac (Edifício Royal) contribui intensamente para o resultado positivo do longa-metragem, assim como a trilha sonora de Nascuy Linares (Mar Blindado), bastante respeitosa com a cultura retratada.

As atuações, porém, não são tão regulares quanto deveriam. Enquanto Antonio Bolivar está bem como a versão idosa de Karamakate, Nilbio Torres falha em alguns momentos como o jovem índio. Os estrangeiros, vividos por Jan Bijvoet (Ardennes) e Brionne Davis (Rota Mortal: Não Olhe para Trás), também não conseguem construir personagens equilibrados, passando do ponto nas cenas mais afetadas.

Mas são problemas que acabam abafados pela força da história contada e por toda beleza que a cerca.

O Abraço da Serpente é um filme eficiente na sua abordagem da história indígena, que consegue conquistar e acaba fazendo o espectador pensar na forma como se encara o modo com que esse grupo étnico foi tratado – ou melhor destratado – pelos brancos que aqui estiveram.
Cecilia Barroso

NOTÍCIAS referentes ao filme:

'O abraço da serpente' é vencedor nos Prêmios Platino com 7 estatuetas:

http://g1.globo.com/pop-arte/cinema/noticia/2016/07/o-abraco-da-serpente-e-vencedor-nos-premios-platino-com-7-estatuetas.html

Link para o evento no Facebook: 

https://www.facebook.com/events/271779433207437/

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Recent Posts